Saiba mais como prevenir demências na 3ª idade

Saiba mais como prevenir demências na 3ª idade

A parcela da população com idade acima de sessenta anos está crescendo em um ritmo mais acelerado do que qualquer outro grupo etário não só no Brasil, como no mundo. Historicamente, o número de crianças sempre foi superior ao número de idosos. Porém, de acordo com estudo divulgado pelo BNDES, espera-se que em 2050 o percentual da população mundial acima de sessenta anos ultrapasse o percentual de jovens de até 14 anos. No Brasil, essa transição deve ocorrer já em 2030. Junto com o aumento da faixa etária da população, há um aumento do risco de demência.

Mesmo ainda com estudos em fase inicial, há uma possibilidade teórica de adoção de medidas preventivas no longo período de latência entre as alterações cerebrais do processo demencial e a instalação dos sintomas.

Citado pelo site "Dráuzio Varella" em artigo, um relatório da "National Academies of Sciences, Engineering and Medicine", indica que três métodos de intervenção oferecem “evidências inconclusivas mas encorajadoras” de que seja possível interferir com o declínio cognitivo: treinamento cognitivo, controle da pressão arterial nos hipertensos e aumento da atividade física.

A recomendação de treinamento cognitivo foi baseada principalmente no estudo "Active", que apresentou melhoras em funções como arrazoamento, resolução de problemas, memória e velocidade de processamento, por um período de pelo menos dois anos. Vale ressaltar que o ganho que não se mantém por cinco a dez anos.

O relatório ressalta que o treinamento cognitivo se refere a “um largo espectro de intervenções que podem incluir o aprendizado de uma língua nova ou atividades diárias como palavras cruzadas e jogos no computador”.

O outro item da lista de recomendações, o controle da pressão arterial (especialmente a partir dos 40 anos), foi baseado em diversos estudos que confirmaram a associação, embora não seja uma conclusão unanime no meio científico.

Por último, o aumento da atividade física, os dados são mais consistentes, mas existem publicações com resultados contraditórios.

Apesar das conclusões não serem unanimes, as recomendações medicas de manutenção de atividade física, mental e socialmente, além de uma dieta saudável e o controle de fatores de risco como obesidade, diabetes, hipertensão arterial e o colesterol é ainda o melhor aliado em um envelhecimento mais saudável.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *